Sobre a Ciência e o Conhecimento

ct-alem-ciencia-telepatia

Nos últimos 2 anos, tenho me interessado muito pelo estudo da filosofia (principalmente política, moral e do conhecimento) e me dei conta de quanto a maioria das discussões epistemológicas que fazemos nas ciências sociais são superficiais (limitando-se, muitas vezes, ao estudo de autores da moda, como Foucault, Kuhn e Feyerabend). Grosso modo, a filosofia do conhecimento (a epistemologia) faz as seguintes distinções:

“É um equívoco grave a construção artificial de supostas polaridades
entre realismo e construtivismo e entre objetivismo e relativismo. De fato, as polaridades existentes são as estabelecidas entre objetivismo e construtivismo (em relação à questão da origem do conhecimento), realismo e idealismo (em relação à questão da natureza do objeto), e criticismo e relativismo (em relação à questão da possibilidade do conhecimento).” (Castañon, 2009)

1) O objetivismo é a posição “positivista”, segundo a qual a origem do conhecimento está no objeto e não no sujeito, como se os nossos sentidos fossem uma janela transparente para o mundo. É uma posição relativamente ingênua, dado que filósofos céticos já a refutaram há milhares de anos (por exemplo, ao refletirem sobre as ilusões de ótica). O construtivismo, na minha opinião uma posição mais elaborada, alega que a origem do conhecimento está no sujeito e na percepção que nossos sentidos nos oferecem do mundo.

2) Segundo o realismo, existe um mundo exterior às nossas mentes, enquanto para o idealismo o mundo existe apenas na nossa mente. Quase sempre as posições pós-modernas são idealistas/anti-realistas, enquanto a atitude científica pressupõe a existência de um mundo exterior e que ele pode, mesmo que imperfeitamente, ser conhecido pelos nossos sentidos.

3) Enquanto para o relativismo, nenhum conhecimento objetivo é possível, sendo que qualquer “discurso” ou “narrativa” tem tanto valor quanto os demais, para sua posição oposta, o “dogmatismo”, o conhecimento sobre o mundo é absoluto (mais uma vez uma posição que poderíamos colocar sobre o rótulo – um tanto espantalhoso – de positivismo). Uma posição mais sofisticada é aquela do “criticismo” (no sentido que tem, por exemplo, no racionalismo crítico de Popper), segundo a qual, alguns tipos de conhecimento são superiores a outros, mesmo que de forma provisória e parcial. A aventura do conhecimento, assim, seria uma sucessiva aproximação de algo que podemos chamar de “verdade”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s