“Não sei, sou de humanas”: cursos universitários e grupos ideológicos

Um dos grandes motivos de discussões acaloradas no Facebook, juntamente com as discussões entre “coxinhas” e “petralhas”, “biscoito” e “bolacha” é a briga entre “humanas” (a categoria nativa parece incluir apenas o “núcleo duro” das humanas, além de algumas sociais aplicadas, como jornalismo e, por vezes, direito) e “exatas” (qualquer curso que tenha cálculo, mesmo que seja, epistemologicamente, tão de “humanas”, quanto os cursos dos CFHs da vida, como administração e economia). Na minha universidade, a UFRGS, um dos momentos do ano onde essas rivalidades extrapolam o Facebook e chegam aos corredores é a anual eleição do diretório central dos estudantes (DCE). Há cerca de 10 anos, o DCE da UFRGS é disputado por grupos ligados ao direitista PP e ao esquerdista PSOL, sendo que, na maioria dos anos, o PSOL vence, embora tenham ocorrido algumas vitórias da chapa do PP, como em 2009 e 2013. Cabe mencionar também que as eleições são marcadas por acontecimentos dignos da República Velha, como corredores poloneses em torno das urnas, militantes armados com bastões, roubos de urnas e de atas, dentre outras incivilidades. Não por acaso, as eleições também são chamadas de “gincanas” eleitorais e a imensa maioria dos estudantes, por vezes, quase 90%, não participa das votações, dado o baixo nível geral das campanhas.

Bem, neste ano concorreram 5 chapas, sendo elas ligadas aos seguintes grupos:

Chapa 1: Partido Comunista Revolucionário (PCR) e PCB.

Chapa 2: Coletivo Barricadas (uma dissidência do PSOL)

Chapa 3: PT e PCdoB

Chapa 4: PP (o deputado estadual gaúcho, Marcel Van Hatten, fez carreira política no movimento estudantil da UFRGS)

Chapa 5: PSOL e PSTU (situação).

A chapa 5 foi reeleita e os resultados podem ser consultados aqui.

Não foi para falar de eleição de DCE, porém, que eu escrevo esta postagem, mas sim para, a partir dos resultados das diferentes chapas nas urnas de cada curso, tentar entender o perfil ideológico da universidade. O tipo de dado resultante dessa eleição, separado por urna de curso, se presta a um tipo de análise chamada “analise fatorial”. A ideia da análise fatorial é reduzir um conjunto de variáveis quantitativas (os votos de cada chapa por urna, por exemplo) em um conjunto menor de variáveis (chamados de “fatores”), seja como um fim em si mesmo (por exemplo, como faremos aqui, entendendo como elas se agrupam) ou então para facilitar seu uso em uma regressão (neste caso, ao invés de termos, digamos, umas 30 variáveis, teríamos só 2 ou 3, o que torna a análise mais fácil e intuitiva).

Essa análise requer uma série de passos e pressupostos que não irei desenvolver aqui, onde me focarei em entender os resultados. Inicialmente, faremos uma análise fatorial utilizando as chapas como variáveis e as urnas como casos, temos as 6 variáveis (as 5 chapas e os votos em branco) agrupados da seguinte forma:

fatores chapas

Votos nulos foram excluídos por questões técnicas (comunalidade)

Notem que um dos fatores criados foi o que eu chamei de “extrema-esquerda”, agrupando as três chapas de extrema (PSOL, Barricadas e PCB), enquanto outro agrupa as chapas do PP e do PT, além dos votos em branco. Achei interessante este resultado, pois demonstra que os estudantes que votam em chapas do PP também podem votar em chapas do PT, e vice-versa, apesar das distâncias ideológicas entre os dois partidos foram da universidade. Por isso resolvi chamar esse fator de “centrão”, para identificar aqueles estudantes interessados em propostas mais “pragmáticas” e menos na “luta” defendida pelas chapas de extrema-esquerda.

De forma gráfica, esses fatores podem ser visualizados da seguinte maneira: chapas1

A primeira coisa que chama a atenção é a enorme proximidade entre as chapas de extrema esquerda, muito maior do que a proximidade entre as chapas do fator “centrão”. Isso indica que elas disputam exatamente os mesmos votos. Inclusive, a chapa do PT está a cerca de um terço do caminho entre as chapas do PP e as chapas de extrema-esquerda. A inclusão dos votos em branco neste fator parece indicar que os estudantes que tendem a votar em branco são também aqueles menos interessados em votar nas eleições do DCE, menos interessados na “luta” e mais em “propostas pragmáticas”, o que parece ser o caso da maioria dos eleitores das chapas do PP e do PT, em menor grau.

Após verificarmos como as chapas se agrupam, vamos entender como isso acontece com os cursos. Neste caso, tomando as chapas como casos e os cursos / urnas como variáveis, chegamos a três fatores:

fatores urnas

Urnas excluídas por questões estatísticas: farmácia (comunalidade), FABICO, Prédio do cálculo/prédio novo do IFCH, Direito e Administração (“estrutura complexa”).

Neste caso, os fatores representaram três agrupamentos ideológicos de cursos:

  1. Cursos que tendem a votar na extrema-esquerda: anexo da saúde (psicologia, comunicação), educação física, fisioterapia e dança, teatro, biologia marinha, matemática, enfermagem, odontologia, física, letras, química, artes e educação, além das “true humanas” (filosofia, ciências sociais e história), claro.
  2. Cursos que tendem a votar na chapa do PP (centrão 1): informática e engenharias.
  3. Cursos que tendem a votar na chapa do PT (centrão 2): primeiros semestres dos cursos da saúde, economia, veterinária e arquitetura.

De forma gráfica, podemos visualizar esses agrupamentos ideológicos da seguinte forma: urnas1

Pelo menos tomando por base esses dados, parece que a separação “ideológica” entre os cursos não segue exatamente a divisão humanas / exatas (mesmo se entendermos essa dicotomia em sua categoria nativa de cursos sem e com cálculo), mas é mais complexa. Apesar de os cursos onde a chapa do PP vença sejam de exatas, a extrema esquerda também vence em vários cursos dessa área, como química e matemática, além de vencer em quase todos os cursos da saúde.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s