A vitória de Macron e a Paz Perpétua

Alguns meses após o plebiscito que deu vitória à posição pela saída do Reino Unido da União Europeia e a vitória de Trump no Colégio Eleitoral das eleições americanas, a eleição francesa do último domingo parecia o terceiro e derradeiro confronto a opor duas visões políticas, econômicas e culturais diametralmente opostas. De um lado, defensores do liberalismo político, do universalismo ético e das fronteiras (mais ou menos) porosas a pessoas e mercadorias. De outro, defensores de posições mais ou menos autocráticas de governo, do comunitarismo nacionalista e da autarquia econômica.

Muitos acreditavam tratar-se de um embate entre o mainstream político e seus oponentes de extrema-direita. Eu defendo que a divisão clássica entre esquerda e direita explica pouco do que tem acontecido nos últimos anos. Trump, líder de um movimento associado à direita radical americana, foi apoiado por Putin, que também apoiou Le Pen, mas também líderes radicais de esquerda, como Maduro. Mélenchon, o candidato da extrema-esquerda francesa, defendia posições econômicas muito parecidas com as de Le Pen e o enfraquecimento da União Europeia. Sua recusa em se posicionar no segundo turno entre um liberal centrista e uma radical de direita (que, por sinal, já havia apoiado o partido de extrema esquerda que atualmente governa a Grécia) pode ser reveladora.

Assim, creio que a grande disputa que se desenrola diante de nós é melhor descrita como entre os defensores da sociedade aberta e seus inimigos, defensores de alguma forma de tribalismo (nacional, étnico, classista ou identitário).

Os defensores da sociedade aberta, normalmente, se aglomeram em posições no entorno do centro político – liberais autênticos, conservadores de boa estirpe, democratas cristãos, socialdemocratas, verdes, etc. – enquanto os seus inimigos tribalistas se distribuem de uma ponta à outra do espectro político. Podem ser encontrados na extrema direita (nacionalistas chauvinistas, racistas empedernidos, etc.) e na extrema esquerda, seja ela “clássica” (nacionalismo terceiro-mundista, tribalismo de classe trabalhadora) ou, muito mais comumente, pós-moderna (coletivos negros, movimentos LGBT, grupos feministas radicais, etc.) dos campi universitários.

Leia mais no artigo do Ano Zero.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s